sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Tempo de Crescer - Um feliz 2011


Um final de ano um pouco complicado para mim, mas não menos esperançoso. Ontem conversava com uma amiga querida e comentei sobre o quanto a energia que fica no ar nos últimos dias do ano é algo que contagia mesmo.

Não sei se é apenas impressão mas sempre me valho dessa "mudança" que parece que acontece naturalmente em nossas vidas. Uma energia boa com gosto de "vamos em frente que tem muita coisa vindo aí.."

Claro que ao longo de todos esses anos tenho aprendido que nada muda no último dia do ano ou em qualquer outro que seja se não mudarmos nossa maneira de agir e pensar em determinados aspectos da vida.

Esse ano que se encerra hoje me trouxe momentos excelentes, pessoas extraordinárias, conquistas profissionais, pessoais e familiares, conversas interessantes e uma nova forma de agir perante as pessoas.

Vou tomar isso como exemplo e segurar a barra que tem sido os últimos meses desse ano de 2010.

Agora é partir para a ação com vontade genuína de chegar nos lugares que sempre quis , mas que por algum motivo sempre adiei.

Quero fazer por merecer um bom ano. Desejo que todos possamos fazer o mesmo....

Uma receita do Carlos Drummond de Andrade para nos fazer lembrar que precisamos merecer aquilo que queremos nessa época: Um Bom Ano!

"Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,

novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens? passa telegramas?).

Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um ano-novo que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.

É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre."

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Lições Aprendidas

Nos últimos dias apesar da correria e de alguns percalços no caminho, consegui aprender certas lições e rever outras que eu havia esquecido.

Entre conversas com amigos queridos, letras de músicas que ouvi com mais atenção e frases soltas de alguns livros tomei consciência de atitudes que podem fazer diferença em nossos relacionamentos.

Algumas delas:

"Não espere demais das pessoas para não correr o risco de se frustrar" - De fato, é até injusto jogarmos a responsabilidade de nossa satisfação em cima de terceiros, afinal todos somos passíveis de erros. Somos humanos. Esperando menos, o que vier do outro será sempre uma grata surpresa.

"Não tratar como prioridade quem te trata como opção" - Essa frase já é tão batida mas acho que cai bem com o que andei percebendo ao meu redor. Um querido amigo inclusive andou passando por isso em um relacionamento e eu mesmo caio nessa às vezes. Dar a importância devida a cada pessoa é algo justo e menos cruel para você mesmo. Evita desgastes desnecessários.

"Não mudar teu jeito por causa de alguém" - Se acontecer algo que leve você a pensar que precisa mudar sua forma de encarar a vida e agir com as pessoas, reveja a situação e analise se é vale a pena alterar sua forma de pensar para agradar alguém. Em primeiro lugar sempre terá que pesar nossa felicidade. E se te faz bem ser como você é, continue assim.

Nunca conheci alguém que se deu bem mudando seu jeito de ser por conta de outra pessoa.

"Poucas coisas valem a pena, o importante é ter prazer" - A canção "A Sombra de um Jatobá" do Toquinho ilustra a importância de pequenas coisas em nossas vidas que deixamos passar despercebidas. como o carinho de algumas pessoas e um simples gesto de olhar a vida com menos aspereza. Nem todos os momentos serão excelentes mas os poucos que tivermos prazer em participar têm que ser lembrados e celebrados.

"Pegue mais leve com você, não dramatiza tanto a vida" - Essa frase então caiu como uma luva. Se tem algo que eu preciso fazer ontem é pegar mais leve comigo mesmo. Já tenho uma certa tendência a dramatizar demais as coisas então preciso mesmo digerir melhor essa frase e ver que nem tudo é como parece.

Espero sinceramente que ao compartilhar essas coisas aqui possam me fazer refletir mais. Afinal externar aquilo que sentimos é uma ótima forma de encarar esses mesmos sentimentos de frente.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Até Quando Esperar?


No último domingo, eu participei da Manifestação contra as agressões sofridas por homossexuais na última semana.
Ontem em frente ao Mackenzie houve outra manisfestação, mas essa eu não consegui chegar a tempo.
Se bem que li no blog Passageiro do Mundo do meu querido Marcos Freitas que os manifestantes seguiram até a Avenida Paulista novamente e por lá ficaram por volta das 21h. Mas como não consegui ir deixo aqui minha solidariedade à eles.
Ter ido à Avenida Paulista domingo e ter exercido minha cidadania enquanto gay e brasileiro, me fez sentir parte desse cenário que insistem em esconder e empurrar para o gueto.
Um bom sentimento foi o de ter reencontrado amigos queridos e companheiros nessa luta contra a homofobia.

Tenho acompanhado os casos de violência e fico cada vez mais estarrecido de saber que o retrocesso está ocorrendo e se não fizermos nada ele vai continuar.
Uma das mães dos menores agressores diz em uma entrevista :" São apenas crianças, estão lá dentro amedrontadas, chorando..". Tenho certeza que se fosse ela uma vitima de algum menor, jamais falaria algo assim. Afinal seria o filho menor de outra pessoa e mereceria todas as punições possíveis.
Ontem ainda tive a infelicidade de ver um vídeo onde o deputado Jair Bolsonaro defende a agressão a "filho meio gay". Dá pra acreditar que isso é falado em rede nacional sem o menor pudor?
O que falta mais? Incentivar a agressão as mulheres que não se moldam ao modelo de esposa perfeita? Aos filhos que tem algum tipo de deficiência por não serem aquilo que o padrão imposto pela sociedade gostaria?
Gostaria de saber desde quando agredir alguém fisicamente modifica o modo como a pessoa encara sua natureza. Acreditam realmente que a agressão modificará a forma como o corpo da pessoa corresponde ao seu próprio instinto?
E por fim, por que isso incomoda tanto as outras pessoas. Ninguém tem absolutamente nada a ver com a forma de vida do outro. Nada!
Que pensamento maléfico esse de acharem que precisam salvar a humanidade de seus hediondos pecados com um discurso torpe como esse.
O importante agora é seguir em frente mesmo. Já que chegamos a esse ponto não dá para recuar mais. Chega de homofobia, salve a cidadania!
O vergonhoso vídeo está abaixo:







domingo, 21 de novembro de 2010

Eterno Aprendiz


No final de semana passado, dias 13 e 14 de novembro, fui com um grupo de amigos para um hotel em Ribeirão Pires.

Com o trabalho no IBGE chegando ao final decidimos que seria bacana termos um local para desfrutarmos da boa companhia e da amizade que conquistamos ao longo do ano.

Como tenho hábito de ir para esse hotel sempre que possível, sugeri alguns meses atrás que encerrássemos nossa atividade lá. E foi extremamente agradável.

Infelizmente não foram todas as pessoas do grupo mas o aproveitamento nosso foi dentro do esperado. Claro, que como nem tudo sai perfeito, o clima não ajudou muito e um friozinho com garoa no sábado deu uma atrapalhada, mas nada que as bebidas e conversas noite adentro não resolvessem para que a alegria de estarmos ali fosse completa.

Uma das coisas que mais dou valor nessa vida, são as boas companhias...

Durante esse ano de trabalho no IBGE, tivemos um grupo de pessoas bem diferentes entre si o que me ajudou a lidar com as dificuldades que surgiram ao longo do trabalho.

Como em qualquer situação é natural que as afinidades apareçam e as divergências também.

E eu aprendi muito com cada um desses opostos. Com certeza vou lembrar por muito tempo cada situação enfrentada, cada discussão, cada momento de tensão e os de alegria também, que foram a maior parte , ainda bem.

Os muitos encontros em botecos ajudaram muito a fortalecer alguns laços de amizade e os momentos de descontração no posto em que trabalhamos também.

Já li em inúmeros lugares e já ouvi em várias canções da importãncia de mantermos nossos vínculos de amizade com aqueles que gostamos.

Li algo mais ou menos assim "cuide bem do caminho que o leva ao teu amigo, visite-o com frequência e fique atento para que as ervas daninhas não cresçam e dominem o trajeto que os une".

Achei isso uma boa definição de como a correria do cotidiano pode nos afastar das pessoas, mas isso só acontecerá mesmo se permitirmos.

Como sempre apostei no lado positivo das relações continuarei fazendo minha parte, preservando o contato com as pessoas que estimo. E isso torna nosso cotidiano bem melhor...

Um forte abraço para vocês.

sábado, 20 de novembro de 2010

Ato em Repúdio à Violência na Av.Paulista


Domingo (21), acontecerá um ato de repúdio à violência homofóbica na Av. Paulista.

O crime foi cometido por cinco jovens de classe média – sendo quatro menores de idade – que estudam juntos num colégio particular situado no Itaim Bibi, bairro nobre de São Paulo.
Das 3h às 6h30, o grupo agrediu quatro rapazes em momentos isolados.

Uma das vítimas perdeu a consciência e teve seus pertences roubados, enquanto outra foi atingida por duas lâmpadas fluorescentes no rosto.

Ainda em São Paulo, militantes LGBTs e alunos da Universidade Presbiteriana Mackenzie, organizam manifestação contra o Chanceler e Reverendo Dr. Augustus Nicodemus Gomes Lopes. O Dr. Augustus Nicodemus, publicou no site da universidade uma carta em nome da Universidade, ele se posiciona contra a aprovação do PL-122, citando passagens bíblicas e alegando que a cultura brasileira está cada vez mais distante das referências de certo e errado.

A ação do Chanceler do Mackenzie, além de fundamentalista e assustadoramente maniqueísta, contraria o Estado de Direito democrático e laico.
A homofobia está generalizada no Brasil e não podemos nos intimidar.

A ofensiva de grupos homofóbicos e fundamentalistas tem que aumentar ainda mais a nossa resistência.

Gays, lésbicas, bissexuais, transexuais, trangenêros e héteros que apoiam a causa LGBT devem marcar presença nesses atos. Temos que exigir da justiça que os quatro marginais que foram liberados da Febem, retornem para a instituição e que o jovem maior de idade, retorne para a detenção provisória. Não podemos dividir a sociedade com marginais perigosos, que colocam em risco a vida de cidadãos de bem.

Vamos marcar presença nas manifestações e o nosso posicionamento contra a homofobia.


Serviço:

Ato em Repúdio à Violência na Av. Paulista – São Paulo / Domingo – 21 de novembro – concentração às 15h00 Av. Paulista, nº 1578 - Bela Vista (em frente o vão livre do Masp)

Protesto Contra o Chanceler e Reverendo – São Paulo / Quarta-Feira – 24 de novembro – concentração às 16h30 – manifestação às 18 horas Rua da Consolação, 930 - Cerqueira César


Não há como ficar indiferente....Basta!

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Estou de volta.


Uma das partes mais complicadas de manter um blog é buscar inspiração para escrever mesmo quando ela não existe.

Eu estava analisando esses dias alguns textos que postei aqui no primeiro ano e fiquei estarrecido ao constatar algumas coisas.

Os períodos em que mais escrevi foram os que eu estava mais tranquilo, tanto na parte física quanto na mental. Acredito que coincidiu com o período em que a terapia ajudou um bocado para que eu escrevesse com mais frequencia e assim colocasse tudo que se passava comigo em postagens quase que diárias.

Esse ano confesso que fui muito relapso e algumas ocupações deram conta de manter-me longe do mundo virtual.

Como não gosto de longos períodos em débito comigo mesmo, estou retomando as rédeas de algumas situações novamente.

O encerramento de meu trabalho no IBGE que aconteceu no último dia 29 contribuiu também para que eu começasse a me mexer novamente. Saindo da zona de conforto para outro período de busca e dedicação aos estudos para novos concursos, está me ajudando a rever tudo novamente.

Mas como meu objetivo aqui era retomar o hábito de escrever sobre meu cotidiano, eis-me aqui...

P.S : Esse aí na foto comigo é o meu mais novo xodó, Igor ! Um presente para um tio coruja como eu...

terça-feira, 14 de setembro de 2010

"Os Cariocas" - Para começar bem a semana...

Depois de um final de semana totalmente dedicado às compras de materiais para reforma interna da casa, a necessidade de uma segunda feira mais tranquila se tornou uma urgência para mim.
Como o trabalho foi bem durante o dia, apostei que o show "Os Cariocas" lá no Sesc do Carmo seria um momento relax para começar bem a semana. E ainda bem que foi assim mesmo.
Após alguns minutos de atraso conseguimos chegar a tempo de acompanhar um show gostoso de ver e ouvir. Eu, o Pedro e a Bia curtimos um bocado e brindamos um bom começo de semana com cerveja durante e depois do show também.
Samba, bossa nova e algum saudosismo fizeram o repertório perfeito para quem estava afim de um happy hour no primeio dia de uma semana que promete ser bem agitada. Pelo menos aqui em casa...
Veja e ouça um pouquinho do que curtimos lá ontem!

sábado, 11 de setembro de 2010

Pessoas Grandes


Aproveitando um desses momentos em que subitamente fui tomado por um sentimento de gratidão pelas pessoas que andam ao meu lado, peguei um texto de Shakespeare para ilustrar o quanto estou feliz pelos amigos e camaradas que na semana de meu aniversário celebraram comigo vários dias seguidos, fosse através de abraços, cervejas, telefonemas, recados e tudo o mais. Meu muito obrigado e carinho eterno...

O texto a seguir é para vocês:


"O Tamanho das Pessoas"


Os tamanhos variam conforme o grau de envolvimento.

Ela é enorme para você, quando fala do que leu e viveu, quando trata você com carinho e respeito, quando olha nos olhos e sorri destravado.

É pequena para você quando só pensa em si mesma, quando se comporta de uma maneira pouco gentil, quando fracassa justamente no momento em seria necessário demonstrar o que há de mais importante entre duas pessoas: a amizade, o respeito, o carinho, o zelo e até mesmo o amor.

Uma pessoa é gigante para você quando se interessa pela sua vida, quando busca alternativas para o seu crescimento, quando sonha junto com você.

É pequena quando desvia do assunto.

Uma pessoa é grande quando perdoa, quando compreende, quando se coloca no lugar do outro, quando age não de acordo com o que esperam dela, mas de acordo com o que espera de si mesma.

É pequena quando se deixa reger por comportamentos clichês.

Uma mesma pessoa pode aparentar grandeza ou miudeza dentro de um relacionamento, pode crescer ou decrescer num espaço de poucas semanas.

Uma decepção pode diminuir o tamanho de um amor que parecia ser grande. Uma ausência pode aumentar o tamanho de um amor que parecia ser infinito.

É difícil conviver com essa elasticidade: as pessoas se agigantam e se encolhem aos nossos olhos.

Nosso julgamento é feito não através de centímetros e metros, mas de ações e reações, de expectativas e frustrações.

Uma pessoa é única ao estender a mão, e ao recolhê-la inesperadamente, se torna mais uma. O egoísmo unifica os insignificantes.

Não é a altura, nem o peso, nem os músculos que tornam uma pessoa grande...É a sua sensibilidade sem tamanho..."

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Trinta Inove!!!!!


Nessa última segunda feira celebrei da melhor forma que pude meus 39 anos de vida. Sabe como?

Vivendo!!!!!! Por mais clichê que isso pareça, foi exatamente essa a sensação que tive ao acordar e ter uma dia de trabalho normal e tomar uma cerveja logo após o expediente com um amigo.
Vários e-mails, torpedos, telefonemas e mensagens nas redes sociais completaram essa pequena celebração da vida.

Pensando nas ultimas semanas em que tantas coisas aconteceram numa velocidade assustadora. pude concluir que estou muito, muito bem e animado com o ritmo de vida que tenho me permitido trilhar.

Meu caro amigo jornalista mineiro esteve aqui em Sampa depois de quase um ano que nos vimos. Dessa vez pudemos desfrutar mais da companhia dele e de uma amiga também lá de Minas.

Consegui visitar meu irmão e ver novo sobrinho. Encontrei minha mãe para tomar um café ali pela Avenida Paulista, algo que não fazíamos a muito tempo.

E no meio disso tudo, ainda teve a passagem das meninas de Recife aqui pela casa e nossas saídas pelos bares da cidade.

Uma querida amiga celebrou seus 10 anos de superação de deficiência visual aqui em casa e trouxe novos amigos ao meu círculo de amizades.

Olha, ter tantas coisas para fazer, tantas pessoas para conhecer, tantos lugares para curtir, tantos momentos para amar, tantos amigos para rir e comemorar junto....é algo de se admirar mesmo. Motivos para estar feliz aos 39 eu tenho. E inovar sempre!!!!!!


E vem muito mais por aí.....

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Dignidade gay em Ti Ti Ti

Algumas semanas após a novela Ti Ti Ti ter estreado na Rede Globo, me senti confortável para falar algo rapidamente sobre um assunto interessantíssimo e de certa forma original na forma como vem sendo tratado.
O jovem casal gay Julinho e Osmar,foi apresentado desde o primeiro capítulo com frases e atitudes que até então eu não havia presenciado na televisão e ainda mais nesse horário.
Frases como "Eu te amo", "Eu sou o namorado do seu filho" entre outras e ainda troca de carinhos e beijos no rosto que deixam para longe qualquer bobagem sobre a necessidade de ter beijos na boca em uma novela.
Após a morte de um deles, cuja familia não entendia sua forma de viver, uma amiga dele e o namorado por algumas circunstâncias tipicas de folhetim foram morar na mansão da mesma familia que havia deixado o filho gay de escanteio.
O pai deixou claro desde o início da trama que acha o filho anormal. O irmão que parecia entender a orientação sexual do próprio irmão também demonstrou que não ficava tão a vontade com isso. E a mãe, debilitada com uma doença e religiosa ao extremo acredita que o filho na verdade tinha engravidado essa amiga, que hoje mora na casa dela, antes de falecer.
Os diálogos entre o namorado do filho e mãe do mesmo, têm sido uma agradável surpresa após tantas novelas fracassarem em retratar gays em suas tramas.
Desde o casal Sandrinho e Jefferson de "A Próxima Vítima" de Silvio de Abreu que eu não via algo tão natural e gostoso de acompanhar.
Em um dos diálogos com sua amiga Marcela (Isis Valverde), o personagem Julinho (André Arteche)aponta para um cena que acontece na sala da casa da família do namorado falecido. Um estilista muito afetado solta veneno sobre pessoas do mundo da moda e todos riem a vontade. Nesse momento, Julinho diz a amiga Marcela: " Tá vendo? Eles não tem problemas com gays. Desde que não sejam da família e os façam rir". Excelente.
Em outro momento marcante, a mãe do rapaz falecido comenta com Julinho que sabe que ele é gay e demonstra pena pela suposta "dúvida existencial" pela qual o rapaz está passando. Em algumas trocas de idéias, Julinho deixa claro que está feliz com sua vida e que a religião, argumento usado pela mãe de seu falecido namorado, não pode responder e nem direcionar nada em seu modo de viver.
Sinceramente, tenho acompanhado com gosto o desenrolar de uma estória que tem tocado de forma simples e direta sobre um assunto que quase ninguém quer falar.
O amor entre dois rapazes, onde pais,irmãos e amigos estão diretamente envolvidos nos resultados que isso pode acarretar nas vidas deles.
Dignidade total, graças ao talento de Maria Adelaide Amaral, autora do remake dessa novela do saudoso Cassiano Gabus Mendes.
Torcerei para que o assunto não se perca como aconteceu em tantas novelas até hoje.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Os seus, os meus e os nossos!


Saber que levei algum tempo para postar algo nessas últimas semanas, tem um significado diferente de outras épocas em que andei um pouco relapso em escrever.

Há muito tempo que eu não tinha semanas tão atribuladas e com tantos acontecimentos sucessivos.

Começando lá pelo dia 09 quando fui ao show do Jair Oliveira com o Gilmar, o Pedro que trabalha comigo no IBGE e sua namorada. Após o show, claro, rolou uma cervejada.

No mesmo final de semana tive ainda o aniversário do Áureo, o almoço de noivado da Regina, uma cervejada com o Aroldo e uma festa Julina aqui em casa que terminou às 5 da manhã do domingo dia 11.

Passada a semana de onde tive que preparar um treinamento lá no trabalho, veio o aniversário do Genilson também aqui em casa, onde fizemos uma feijoada que virou uma festa imensa até o final de noite do domingo dia 18.

E para encerrar a semana em que o treinamento efetivamente foi aplicado para os novos recenseadores, um almoço com os companheiros de trabalho no sábado dia 26.

E sabe o que posso tirar de todas essas datas? Muita, muita satisfação.
Principalmente porque aprendi a dar cada vez mais valor ao contato próximo de pessoas que gosto tanto. Dizer à elas o quanto me importo de estar junto, trabalhando, festejando, conversando, rindo e celebrando cada evento com um sabor único.

Cada momento perto das pessoas que gostamos tem um significado intransferível.

Valorize isso sempre e verá os resultados de festejar a vida com o que ela tem de melhor:

Os meus, os seus e os nossos momentos compartilhados.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

O Exemplo que vem da Argentina!


Depois de um longo debate que durou cerca de 13 horas, a Argentina se tornou nesta quinta-feira (15) o primeiro país da América do Sul a aprovar o casamento gay.

O Senado passou a madrugada discutindo o projeto de lei que recebeu 33 votos a favor, 27 contra e 3 abstenções.

Com a aprovação, o Código Civil do país sofrerá alterações para se adaptar à nova lei. “Marido e mulher” será trocado pelo termo “contraentes”, e os direitos entre heterossexuais e homossexuais serão igualados no que diz respeito à adoção, herança e benefícios sociais.

A Argentina se junta a outros nove países que também aprovam o casamento entre homossexuais: África do Sul, Bélgica, Canadá, Espanha, Holanda, Islândia, Noruega, Portugal e Suécia.

A Igreja Católica da Argentina uniu esforços nos últimos dias para impedir a aprovação do casamento gay no país. A maior manifestação aconteceu na terça-feira (13) quando a Igreja reuniu milhares de fiéis contra o projeto de lei.

Cristina Kirchner, presidente da Argentina, criticou a Igreja Católica e comparou a postura adotada com a “época das Cruzadas”, afirmando que a autoridade Católica está convocando uma “guerra de Deus” contra o casamento homossexual.

(Fonte : Site Dolado http://www.dolado.com.br/)

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Chorei com "Patrik 1,5".


Fui ao Espaço Unibanco de Cinema na Av. Augusta nesta última quarta-feira para assitir ao longa sueco Patrik 1,5 , novo trabalho da diretora Ella Lemhagen.

O longa conquistou o prêmio de Melhor Filme (Prêmio de Público) no San Francisco International Gay & Lesbian Film Festival .

A estória conta o drama de Göran (Gustaf Skarsgård), um médico e que tem o sonho de ser pai. Seu marido Sven (Torkel Petersson), pouco sensível, e alcoólatra no passado, teve um casamento heterossexual e tem uma filha adolescente. Este é o casal de personalidades diferentes que se candidata a adotar uma criança em uma pequena e conservadora cidade sueca. Ao receber um comunicado de que foram aprovados para adotar uma criança, começam a decorar o quarto do filho com muito cuidado. Porém, por um erro de digitação do Serviço Social, que colocou uma vírgula no lugar errado, o filho deles é Patrik (Thomas Ljungman), um adolescente de 15 anos, homofóbico, órfão e com um passado criminal.

Confesso que por mais previsível que a estória seja em alguns momentos, fui tomado por uma paixão quase que instântanea pelos personagens.

Conforme o drama se desenrola na vida daquele casal, o tom humorístico permeia algumas situações provocadas em parte pelo conflito com os vizinhos conservadores.

Mas o que me deixou mais entusiasmado com o longa foi a dificuldade que tive em conter as lágrimas do meio para o final da trama. Chorei mesmo, um choro com misto de alegria e revolta por imaginar que um mundo melhor ainda está complicado de ser formar.

Acredito que dois fatores contribuiram muito para minha emoção: A forma como é mostrado que o amor acima de qualquer outra coisa consegue sim, mudar as pessoas e suas convicções e em segundo lugar minha indignação em lembrar que o ódio que algumas pessoas sentem em relação a felicidade dos outros, prejudica e muito a formação de uma sociedade justa e digna.

Se você puder parar e pensar por alguns momentos que o modo como a outra pessoa leva a vida dela,não lhe diz respeito em absoluto, já trará um benefício enorme para si e para outros.

Se é difícil para você aceitar que alguns gays conseguem ser mais felizes do que a maioria das pessoas simplesmente porque eles decidiram encarar a vida de frente, repense suas atitudes e vá cuidar de sua própria vida e pare de usar Deus, Alá, Buda ou qualquer coisa que o valhe para expressar seu incômodo com o modo de vida do outro.

Se puder assistir Patrik 1,5 e procurar entender a mensagem transmitida será de grande valia.


sexta-feira, 25 de junho de 2010

O Amor Urgente.

Sábado passado, dia 19/06 ao participar do 8º Ciclo de Debates LGBT tive o prazer e o previlégio de ouvir uma excelente apresentação sobre os avanços e retrocessos relacionados às leis que envolvem a população LGBT e a criminalização da Homofobia.

Não irei detalhar aqui, pois meu intento é deixar marcado o quanto uma música citada pelo Dr. Renato De Vitto mexeu comigo.
A letra de Chico Buarque quase me permitiu sentir o prazer e a dor de amores que não conseguem ser plenamente vividos, graças a essa estúpida e infeliz moralidade cristã propagada sempre visando o benefício e a conveniência de quem a prega.
Como disse o Celso Dossi no blog dele (http://www.celsodossi.blogspot.com/) alguns meses atrás, pode não ser hoje, pode não ser amanhã...mas um dia isso terá fim. E toda essa intolerância com a sexualidade da outra pessoa será extinta. Mesmo se eu não estiver mais na Terra, espero que os filhos de amigos e irmãos possam presenciar alguma mudança nesse aspecto.

Amor e Lua

Amaram o amor urgente
As bocas salgadas pela maresia

As costas lanhadas pela tempestade
Naquela cidade
Distante do mar
Amaram o amor serenado
Das noturnas praias
Levantavam as saias
E se enluaravam de felicidade
Naquela cidade
Que não tem luar
Amavam o amor proibido
Pois hoje é sabido
Todo mundo conta
Que uma andava tonta
Grávida de lua
E outra andava nua
Ávida de mar
E foram ficando marcadas
Ouvindo risadas, sentindo arrepio
Olhando pro rio tão cheio de lua
E que continua
Correndo pro mar
E foram correnteza abaixo
Rolando no leito
Engolindo água
Rolando com as algas
Arrastando folhas
Carregando flores
E a se desmanchar
E foram virando peixes
Virando conchas
Virando seixos
Virando areia
Prateada areia
Com lua cheia
E à beira-mar



segunda-feira, 21 de junho de 2010

Parceria Contra Discriminação às Pessoas Vivendo com HIV/Aids


Governo do Estado de São Paulo Firma Parcerias
Contra Discriminação às Pessoas Vivendo com HIV/Aids



A Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, a Secretaria da Saúde, a Procuradoria Geral do Estado e a Defensoria Pública do Estado de São Paulo firmam parcerias para promover o enfrentamento à discriminação contra pessoas que vivem com HIV/Aids. Os protocolos serão assinados pelos Secretários Ricardo Dias Leme (SJDC) e Luiz Roberto Barradas Barata (Saúde), pelo Procurador-Geral do Estado, Marcos Fábio de Oliveira Nusdeo, e pela Defensora Pública-Geral de São Paulo, Daniela Sollberger Cembranelli, no dia 28 de junho, às 15 horas, na sede da Secretaria da Justiça. Trata-se de uma iniciativa da Coordenação de Políticas para a Diversidade Sexual e do Programa Estadual de DST/Aids do Estado de São Paulo.

Esta parceria visa à promoção da Lei Estadual n° 11.199, de 12 de julho de 2002, que proíbe e pune a discriminação às pessoas que vivem com HIV/Aids no Estado de São Paulo. Caberá à Secretaria da Justiça acolher as denúncias e instaurar o processo para apurar os fatos e punir os responsáveis pela prática de discriminação. Competirá à Secretaria da Saúde promover a divulgação institucional da legislação, nos moldes da campanha da Lei Estadual n° 10.948/01 (Lei de Combate a Homofobia), amplamente divulgada neste mês de junho.

Assim como ocorre no atendimento à Lei de Combate a Homofobia, a Defensoria Pública do Estado de São Paulo, por meio do Núcleo de Combate à Discriminação, Racismo e Preconceito, dará suporte às partes envolvidas nas denúncias, disponibilizando defensores públicos para acompanhamento jurídico gratuito desses casos. De igual modo, a Procuradoria Geral do Estado promoverá a instrução processual dos casos do interior do Estado em suas Procuradorias Regionais, tornando desnecessário o deslocamento das vítimas e denunciados até a Capital, onde são apuradas as denúncias.

Dimitri Sales, Coordenador de Políticas para a Diversidade Sexual do Estado de São Paulo comemora a iniciativa: “O acúmulo do trabalho no enfrentamento à homofobia contribuirá para tornar a Lei 11.199/2002 mais eficaz, punindo quem discriminar pessoas vivendo com HIV/Aids.” Em sua opinião, a homofobia amplia a vulnerabilidade da população de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. “O Plano Estadual de Enfrentamento à Homofobia e Promoção da Cidadania LGBT preconiza ações articuladas entre órgãos públicos para promover o respeito à cidadania de todos. Essa iniciativa está em consonância com as lutas do Governo do Estado para a promoção da diversidade sexual”.

Para Maria Clara Gianna, Coordenadora do Programa Estadual DST/Aids-SP, “a assinatura dos protocolos é de fundamental importância para a garantia dos direitos das pessoas que vivem com HIV/Aids”. Afirmando o compromisso da Secretaria da Saúde em promover a legislação, entende que a iniciativa “terá grande impacto nas ações do Governo do Estado, ampliando o enfrentamento da epidemia em São Paulo”.

Serviço: Assinatura de Protocolos de Combate à Discriminação – HIV/Aids
Data: 28 de junho de 2010
Horário: 15 horas
Local: Espaço da Cidadania André Franco Montoro. Pátio do Colégio, 184 – Centro.

domingo, 20 de junho de 2010

Um dia você vai entender.

Esse curta foi uma resposta a não aprovação do casamento entre pessoas do mesmo sexo.
Pense bem a respeito do direito das pessoas que podem e devem expressar suas variadas formas de amor e união...


quinta-feira, 17 de junho de 2010

Para saber que pensou em mim...


Ontem recebi uma carta de uma querida amiga!! Isso mesmo, uma carta!
Nada de e-mails, recados no orkut, tweets ou SMS.

Uma bela e singela carta escrita com todo o carinho do mundo, escrita por ela em um retiro semanas atrás.

Não lembrava mais do sentimento que é receber algumas palavras escritas num papel.

Em dias corridos como esse, é bacana saber que uma pessoa dedicou parte de seu tempo para pegar um papel, pensar em você e colocar palavras ali que provavelmente iriam tocar a outra pessoa.

Não descarto a importância de recados de amigos por meio da Internet. Claro que não.

Mas o sabor de uma carta escrita especialmente para você, não tem igual.

Até alguns anos atrás eu recebia e respondia cartas de alunos meus. Mas com o passar do tempo foi ficando cada vez mais raro receber alguma. Daí logo começou essa febre por rapidez em dizer "oi, estou com saudades de você" através da internet e outros mil recursos.

Facilitou muito, mas tirou um pouco do charme de saber que alguém realmente fez algo mais para saber sobre você...

Obrigado pela inspiração, Cau!

Aproveitando aqui, estou dando uma cara nova ao meu blog...Andei bem relapso e pretendo agora retomar meu hábito de escrever e falar mais sobre assuntos que dizem respeito a população LGBT. O que diretamente diz respeito a mim obviamente.

Tem acontecido tanta coisa bacana no meu cotidiano, mas tenho perdido o tesão de colocar tudo isso em palavras. Agora estou mais disposto.

E "Aqui Pra Nós" será esse espaço agora.

O "Pereirices" ainda será o endereço do blog, mas quis dar uma cara mais abrangente ao meu espaço virtual.

Bem vindo e conto com o apoio e divulgação de quem me segue...

sábado, 12 de junho de 2010

Diversidade Tucana

O PSDB realiza no domingo sua convenção estadual, em São Paulo, para homologar a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) ao governo paulista nas eleições de outubro.

Várias tendas, de candidatos e grupos do partido, serão montadas no local para fim de divulgação de projetos e planos de governo.

Nessa convenção, também contaremos com a Tenda da Diversidade Tucana, onde apresentaremos os avanços das políticas públicas no seguimento LGBT e as propostas futuras para uma sociedade livre de preconceitos.

Na ocasião, também serão oficializados os nomes do ex-secretário estadual do Trabalho, Guilherme Afif Domingos (DEM), como vice na chapa encabeçada por Alckmin, além dos candidatos ao Senado na coligação estadual, o ex-governador Orestes Quércia (PMDB) e o ex-chefe da Casa Civil no governo paulista, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB).

A convenção será realizada na Assembléia Legislativa e contará com a presença de José Serra, pré-candidato à Presidência da República nas eleições de outubro.

Os tucanos comandam o Estado desde 1994, quando elegeram Mário Covas. Venha participar dessa construção e visite a Tenda da Diversidade Tucana na Convenção Estadual.

segunda-feira, 31 de maio de 2010

A cidade de todos nós!!!!!


Nesse próximo domingo apoie a 14º Parada do Orgulho LGBT de São Paulo.

Afinal a cidade é de todos nós!

No texto "A Parada é Para Sempre", o jornalista Cezar Xavier comentou algo que me deixou bem emocionado:


"Gigantescas ou pequeninas, as paradas serão sempre um ritual de resistência. Aquele momento em que dizemos que a cidade também é nossa.

Mais nossa do que dos intolerantes e mal-humorados que prefeririam um país para poucos, em que uns mandam e a maioria obedece.

Raras vezes, o poder público estimula a ocupação das ruas pelas pessoas de bem, pois é mais cômodo manter todos protegidos em suas casas.

Parabéns aos governos quando incentivam manifestações como a Parada.

Quando não fizerem, nós, cidadãos, o faremos. É isso que a maioria dos paulistanos deseja para sua cidade, sejam eles LGBT ou não.

Poucos percebem isso, mas ocupar a principal avenida do Brasil, todo ano, é uma conquista profunda e difícil; por isso mesmo, sempre questionada por aqueles que não se conformam com isso."




quarta-feira, 19 de maio de 2010

1º Marcha Nacional Contra a Homofobia

BRASIL REALIZA A 1ª MARCHA NACIONAL CONTRA A HOMOFOBIA

Hoje,dia 19 de maio, dois dias após o Dia Mundial Contra a Homofobia (17 de maio), está se realizando em Brasília - DF, o 1º Grito Nacional pela Cidadania LGBT e Contra a Homofobia.
A concentração está marcada para às 9h, no gramado da Esplanada dos Ministérios, em frente à Catedral metropolitana de Brasília.
Por meio da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais - ABLGT, foram convocadas(os) todas(os) participantes ativistas de suas 237 organizações afiliadas.

Segundo os organizadores, a expectativa é de que cerca de três mil pessoas compareçam.

A ação é uma iniciativa da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais - ABLGT.

A manifestação tem como objetivo chamar atenção das autoridades e da sociedade para os direitos e reivindicações da população LGBT, além de fazer valer para os 20 milhões de brasileiros e brasileiras LGBT o artigo 5º da Constituição federal, que afirma que "todos são iguais perante a lei".
(Fonte: CADS)






Confira o Manifesto: www.abglt.org.br/docs/Manifesto.pdf

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Abraços virtuais


Sabe o que eu quero realmente?De verdade? Que as coisas se tornem mais reais...

Eu refleti bastante nesses últimos dias e escrevo essas palavras apenas para que eu possa entender melhor as conclusões que cheguei.

A facilidade de comunicação nesses dias é tão incrível, tão sensacional que não precisamos nem nos dar ao trabalho de sairmos de casa para falarmos ou vermos quem a gente gosta.Olha que beleza!!!

Por um lado, acho ótimo mesmo ter esse canal principalmente com pessoas que não conheço ainda e que moram em outros estados. A proximidade que programas como o MSN e o Twitter nos oferece para conversarmos e conhecer essas pessoas não tem preço.

Mas por outro lado,e aí entra um dos motivos de minha reflexão sobre o assunto, onde fica o bate papo, o abraço, o aperto de mão?

Sobre quem mora em outros estados até entendo a dificuldade, mas para quem mora na mesma cidade ou até no mesmo bairro...Isso faz muita falta.

Fico pensando quando leio o Twitter por exemplo, com todos falando tudo para todos ao mesmo tempo, se aquele não seria um papo para se ter ao vivo sentado numa mesa de bar ou até mesmo de casa.

Frases soltas, piadas, conversas que antigamente tinhamos com nossos amigos na faculdade, num barzinho ou em reuniões em casa que agora foram trocadas por uma cadeira e um computador onde cada um fica no seu canto, teclando, falando, rindo como se isso fosse o suficiente para nos dar aquela sensação gostosa de aconchego e carinho que temos pessoalmente.

Infelizmente, observo que muitas pessoas ficam sempre ligadas, antenadas, super por dentro de tudo que acontece.mas incapazes de dividir esses pensamentos ao vivo, olhando para as pessoas com quem conversa.

A maneira de olhar, a entonação das palavras, o sorriso, a tristeza , nada disso (graças aos deuses) conseguiu ser substituído por tweets ou tecladas pelo MSN.

Mesmo com a correria que temos, é possivel fazermos um esforço para estarmos perto das pessoas que, pelo menos virtualmente, dizemos gostar.

Eu fico sempre me vigiando para não cair na armadilha fácil que é substituir momentos ao vivo com horas e horas na internet com a falsa sensação de que estou rodeado de pessoas, quando na verdade, ao desligar o computador sentirei falta do abraço e dos sorrisos das pessoas com quem conversei por horas.

Pensando nisso vou tentar me concentrar em seguir a vida mais no mundo real possível, mas mantendo contato com os queridos amigos e possíveis paqueras que conheci e continuo conhecendo através desse conturbado mundo virtual.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

As melhores coisas do mundo


Nesta quinta feira , fui ao Espaço Unibanco ali na Av. Augusta ver a pré-estréia de As Melhores Coisas do Mundo, novo filme da diretora Laís Bodanzky (Bicho de Sete Cabeças, Chega de Saudade). Após a exibição do longa houve um bate papo com a própria diretora, o roteirista Luiz Bolognesi, os jovens atores Francisco Miguez e Gabriela Rocha, o jornalista e educador Gilberto Dimenstein e o psicanalista Contardo Calligaris. Foi uma experiência interessantíssima.

Baseado livremente na série de livros “Mano”, de Gilberto Dimenstein e Heloisa Prieto, o longa metragem acompanha as vidas de alguns adolescentes de um colégio paulista.

Tendo como foco o personagem de Hermano ou Mano (Francisco Miguez) e seus amigos e familiares o filme nos transporta à nossa época de colégio. Dificilmente alguém não se identificará com as situações apresentadas durante a trajetória desses jovens tão reais quanto qualquer um de nós.

Não me lembro de ter pensado sobre o quanto esse período da adolescência é conturbado. Claro que tenho algumas lembranças, mas a parte cruel da convivência escolar eu não me recordava tanto. E como pode ser cruel esse convívio, principalmente nos dias de hoje com fotos tiradas com celulares e blogs explodindo com violência, expondo a intimidade dos jovens de maneira agressiva.

Com todo realismo possível, nos tornamos cúmplices dos personagens e compartilhamos dos momentos de alegria e angústia vivenciado por eles.

Dificuldades familiares, preconceito, amor, sexo, amizade, promessas de felicidade ao lado de quem gostamos, tudo isso misturado num caldeirão prestes a entrar em embulição prende a atenção de quem assiste a esse maravilhoso retrato da juventude em nossos dias.

Confesso que poderia continuar vendo por horas e horas e ainda assim gostaria de saber mais sobre o que aconteceria com aqueles queridos personagens.

O elenco quase que totalmente composto por alunos de alguns colégios paulistanos dão a veracidade necessária para conquistar a empatia de quem assiste.

As presenças de Denise Fraga, Zé Carlos Machado, Caio Blat, Gustavo Machado, Paulo Vilhena e Fiuk são gratas surpresas numa estória encantadora.

Realmente as melhores coisas do mundo começam a ser reconhecidas por nós nessa fase tão conturbada da adolescência.

Não deixe de ver, pois as lembranças podem nos ajudar a entender melhor quem somos hoje e porque nos tornamos nesses adultos meio complicados.

Como diz o personagem Mano: “Não é impossível ser feliz depois que a gente cresce. Só fica mais complicado”.


quinta-feira, 8 de abril de 2010

Os Famosos e os Duendes da Morte

Mesmo com o frio que castigou a cidade nessa quarta-feira, insisti e fui ao cinema para dar um descanso à minha mente.
Arrastei o Gilmar e a Claudia comigo e fomos ao HSBC Belas Artes fazer um programa que há muito tempo não conseguiamos realizar.

O escolhido foi Os Famosos e os Duendes da Morte, estreia do curta-metragista Esmir Filho (de Tapa na Pantera com a Maria Alice Vergueiro, Saliva entre outros) na direção de um longa, que traz um adolescente de uma cidade minúscula que quer apenas ser livre e encontrar seus pares. Encaixar-se no mundo e viver com sua “tribo”.


O diretor busca dar um tom de angústia ao seu personagem e a seu filme. Utiliza a neblina da cidade de Lajeado e os sons que ela produz. Tenta transmitir os sentimentos de seu herói por meio do sensorial.


Resumindo é um filme para ser mais sentido do que entendido.


O garoto de 16 anos (Henrique Larré) que passa o tempo angustiado com a sensação nítida de não pertencer aquele mundo, acredito eu que possa representar muitos que vivem assim pelo mundo afora.


Falta de perspectiva, solidão e carência entram em rota de colisão com os hormônios de um adolescente que encontra na Internet, através de seu blog e contatos virtuais, uma escapatória para dar um fôlego em sua trajetória.


Uma garota e um homem mais velho aparecem para permear a estória com sensualidade e mexer com a sexualidade já aflorada do rapaz.


Para quem já foi adolescente e teve esses momentos de solidão e confusão sobre sua própria identidade, mesmo não morando em um lugar tão longíquo quanto o personagem desse filme, irá sentir durante a exibição do longa uma ponta de empatia e sairá do cinema com a mente repleta de lembranças dessa fase da vida.





domingo, 4 de abril de 2010

Para não esquecer...

Participe da Campanha Não Homofobia!
Exercite sua compreensão e busque informações sobre o assunto...

quinta-feira, 1 de abril de 2010

A gentileza de todos nós...


Andei vasculhando alguns textos antigos que escrevi e esse veio bem a calhar com o que tenho pensado ultimamente.

Para que todos tenham ótimos dias pela frente...
Admiro muito as pessoas que conseguem ser gentis em dias como esses.
Não sei porque é tão complicado para alguns e tão fácil quanto respirar para outros.
Me sinto feliz pela criação que tive e pelas influências que surgiram ao longo de minha vida.

Ser bom para com os outros não é ser bobo como dizem alguns.

É admirar e respeitar a estória de vida de cada um. É desejar acompanhar de perto a evolução das pessoas e se possível for, dar uma mãozinha, um empurrão ou um consolo.
No cotidiano me deparo com inúmeras situações nos mais variados lugares e sempre é possível notar a gentileza de um e a má educação de outro.

Infelizmente a segunda categoria tem vencido a passos largos...
Fazer minha parte, fazer do meu mundo o melhor para se habitar é o mínimo que posso fazer.

A partir daí levo comigo esse bem estar aonde quer que eu vá. E espero, desejo mesmo que essa sensação contamine outras pessoas.
Não custa nada e dá um prazer imenso. Experimente você também...sempre valerá a pena.
Seja gentil.

quarta-feira, 24 de março de 2010

Dias Belos


A cumplicidade masculina é algo notável. Avôs, pais, filhos, irmãos, primos, amigos,amantes...Todos são papéis desempenhados por nós em algum momento da vida ou em todos eles.

Homem consegue manter aquela lealdade não importando quanto tempo se passe.

A peça "Dias de Campo Belo" traz muito desse universo para o palco.

O texto de William Costa Lima interpretado por ele mesmo e Vítor Belíssimo, fala sobre jornadas interiores, memórias deixadas ao longo da vida e sonhos que nós homens, um dia tivemos e abandonamos.

Quem nunca teve aquela paixão sufocada por um amigo, primo ou outra companhia masculina durante a infância ou adolescência? Ou mesmo nunca desejou que o mundo parasse quando se estava na companhia de um amigo tão querido quanto desejado?

A sensibilidade do texto deixa tudo subentendido já que olhares, frases curtas e a respiração entrecortada diz muito mais que qualquer palavra.

Os banhos de riacho, as bebedeiras, os encontros ao longo dos anos, tudo se torna motivo e desculpas para um abraço, um toque mais forte, um pedido de atenção...Sem a ditadura cotidiana, as obrigações impostas pela sociedade, o destino daqueles personagens interpretados brilhantemente pelos dois atores em cena, com certeza seria o que muitos de nós desejávamos. Um amigo, um amante, um companheiro.

Dias de Campo Belo foi um dos principais sucessos do ano passado no Fringe, mostra paralela do Festival de Curitiba. O boca-a-boca levou críticos e jornalistas ao Teatro Edson D’Ávila e elegeu-o como um dos melhores espetáculos da temporada.

A peça ainda chama atenção pelo cenário simples e iluminação eficiente mas pouco convencional.

Ainda dá tempo de ir e conhecer o trabalho dos jovens William Costa Lima e Vitor Belíssimo. Eu saí do espetáculo com muitas coisas para refletir.

Espero que o mesmo aconteça com vocês!

Local: Teatro TUSP . Rua Maria Antonia, 294 - Consolação - São Paulo - SP Datas e Horários: 27,28 e 29 de março (sábado, domingo e segunda) sempre às 20h

ENTRADA FRANCA

Informações: (11) 3255-7182

segunda-feira, 22 de março de 2010

Somewhere over the rainbow


Não ouvia essa canção há muito tempo.

E ao assistir a eliminação de uns dos participantes do BBB 10 no Youtube, me veio na mente o quanto essa música tem a me dizer.

Se a inspiração não veio das melhores fontes, o sentimento foi sincero ao postar esse comentário aqui.

É fascinante pensar nem que seja por alguns minutos e acreditar que um dia teremos um lugar mais tolerante para se viver...

"Algum lugar além do arco-íris
Um caminho acima
E os sonhos que você sonhou
Uma vez numa canção de ninar
Algum lugar além do arco-ris
Pássaros azuis voam
E os sonhos que você sonhou
Sonhos realmente se tornam realidade
Algum dia eu desejarei sobre uma estrela
Acordar onde as nuvens estejam longe atrás de mim
Onde problemas se derretam como balas de limão
Bem acima do topo da chaminé é onde você me encontrará
Algum lugar além do arco-íris pássaros azuis voam
E os sonhos que você desafia: oh por que eu não posso?"




domingo, 21 de março de 2010

Em boa companhia


Sinceramente, alguma vez você também sentiu-se sozinho mesmo com tantas pessoas ao seu redor?

Não estou falando de estar sozinho, como se fosse algo negativo, afinal é muito bom estar em sua própria companhia em alguns momentos. Ou pelo menos deveria ser.

Comecei a pensar nisso com mais afinco nas últimas semanas. Difícil explicar.

Se dar conta de que seu pensamento não é compatilhado com quase ninguém é algo que chega a causar uma certa frustração.

Saber que você está só quando decide optar por passeios em lugares tranquilos.

Que está só porque não sente tanta falta assim de estar nas baladas do momento.

Está só porque não participa de discussões mesquinhas sobre esse ou aquele assunto que geralmente não tem nada a ver contigo.

Ficar só ainda que na companhia de seus familiares quando começam as discussões sobre absolutamente nada.

Ainda que você tenha milhões de contatos virtuais, os contatos reais são os que importam de fato. Se a distância impede uma aproximação, aí sim consigo entender e dar o devido valor as pessoas com quem converso virtualmente. Agora morando na mesma cidade ou até no mesmo bairro fica complicado entender como não trazer esse contato do virtual pro real.

Sentir-se só porque temos formas diferentes de ver a vida é algo que me intriga.

Gosto de minha companhia, gosto de me ouvir e aprender com meus pensamentos. Assim raramente cometo os mesmo erros e quando os cometo, consigo corrigir a tempo.

Com tantas relações baseadas em interesses e superficialidades, acho justo o preço que preciso pagar para manter-me alheio a situações que julgo desnecessárias.

Sentir-se único ao invés de sentir-se só deve ser a melhor maneira de encarar minhas diferenças em relação ao mundo.

terça-feira, 16 de março de 2010

Relembrando "Yossi & Jagger"

Recentemente tive o prazer de rever (pela enésima vez) o filme "Delicada Relação" (Yossi & Jagger, 2002).
Este filme israelense relata a estória que se passa em uma base militar localizada na fronteira de Israel com o Líbano que abriga jovens soldados, homens e mulheres.
Yossi (Ohad Knoller) é o comandante do grupo, um homem duro que mantém a todo custo sua postura rígida e a fama de mau. Jagger (Yehuda Levi), o segundo na hierarquia do quartel, tem uma personalidade mais sensível, apesar de também encarar seu trabalho com seriedade. Uma vez juntos, os dois militares vivem uma história de amor proibida que tentam esconder dos demais membros da tropa a todo custo. No entanto este esforço fica ameaçado quando a recruta Yaeli (Aya Steinovitz) se declara apaixonada por Jagger.
Aqui tem o vídeo com a lindíssima música Your Soul , com imagens que me encantam sempre que vejo.

domingo, 14 de março de 2010

More than words...


Um amigo muito querido mandou-me essas frases num texto com o título "Coisas que a vida ensina depois dos 40" de Artur da Távola‏.

Após ler e reler ao longo dos meses acredito que antes dos 40 tenho aprendido isso também. E espero sinceramente que, quem o ler aprenda e pratique isso independente de sua idade...


"Amor não se implora, não se pede não se espera... Amor se vive ou não.

Ciúmes é um sentimento inútil. Não torna ninguém fiel a você.

Animais são anjos disfarçados, mandados à terra por Deus para mostrar ao homem o que é fidelidade.

Crianças aprendem com aquilo que você faz, não com o que você diz.

As pessoas que falam dos outros pra você, vão falar de você para os outros.

Perdoar e esquecer nos torna mais jovens.

Água é um santo remédio.

Deus inventou o choro para o homem não explodir.

Ausência de regras é uma regra que depende do bom senso.

Não existe comida ruim, existe comida mal temperada.

A criatividade caminha junto com a falta de grana.

Ser autêntico é a melhor e única forma de agradar.

Amigos de verdade nunca te abandonam.

O carinho é a melhor arma contra o ódio.

As diferenças tornam a vida mais bonita e colorida.

Há poesia em toda a criação divina.

Deus é o maior poeta de todos os tempos.

A música é a sobremesa da vida.

Acreditar, não faz de ninguém um tolo. Tolo é quem mente.

Filhos são presentes raros.

De tudo, o que fica é o seu nome e as lembranças a cerca de suas ações.

Obrigada, desculpa, por favor, são palavras mágicas, chaves que abrem portas para uma vida melhor.

O amor... Ah, o amor... O amor quebra barreiras, une facções, destrói preconceitos, cura doenças... Não há vida decente sem amor! E é certo, quem ama, é muito amado.

E vive a vida mais alegremente."

Obrigado pelos conselhos Dante. Adoro você cara!!!!!

quinta-feira, 4 de março de 2010

Amapô

Este curta faz parte do projeto Marco Universal.
Através de uma história de vida o filme trata de questões relacionadas aos direitos humanos, como o direito à diferença. A vida da personagem é apresentada a partir de outros, a alteridade como lógica. Os espectadores completam os sentidos e aos poucos percebem que se trata de um homossexual que, ainda na adolescência, virou travesti. "Amapoa" é um termo que vem do Iorubá e transformou-se em uma gíria de travestis para falar de mulher. O filme traz um desfecho brutal, revelando que o personagem sofreu uma forte violência. Homofobia. A abordagem leva à identificação com a personagem e permite reflexões sobre a intolerância da sociedade atual.
Dirigido por Kiko Goifman esse curta ajuda e muito a nos fazer pensar o quanto nosso país e o mundo continuam intolerantes.

segunda-feira, 1 de março de 2010

É bom olhar pra trás...


Alguns anos atrás realizei um trabalho voluntário por dois anos que me ajudou a amadurecer um bocado. Deixando de lado ideologias com as quais não compartilho mais hoje em dia, posso dizer que havia muito mais de minha personalidade envolvida naquele trabalho do que qualquer outra coisa.

Em dias quando me sinto meio desconsolado com as atitudes de algumas pessoas próximas de mim, seja pessoal ou virtualmente, busco na memória momentos que ficaram naqueles anos.

Hoje especificamente, me veio a mente como a sensação de mudar um pouco o cotidiano das pessoas me trouxe bens inestimáveis. Como essas lembranças.

Quando morei no norte de Minas Gerais por 5 meses, conheci um cara de 40 e poucos anos que morava num pequeno quarto nos fundos de uma casa. Um lugar extremamente humilde assim como quase toda a população daquele bairro.

Eu e um amigo o visitávamos com frequência apenas para ouvi-lo. E assim como várias outras pessoas que vimos todos os dias, ele era um cara que provavelmente ninguém parava para ouvir.

Construimos uma amizade bacana e percebia que tanto ele quanto nós ficávamos felizes com o desenrolar de nossas longas conversas sobre a vida.

Após 5 meses eu tive que ir para outra cidade e quando fui me despedir dele, foi uma das situações mais gratificantes que posso me recordar agora.

Despedir-se de alguém que aprendemos a conviver e gostar é sempre algo complicado. E ver um cara de 40 e poucos anos chorar por saber que aquela rotina que nos fazia bem estava por terminar foi algo que não dá pra esquecer.

Hoje , quando me deparo com algumas atitudes mesquinhas de muitas pessoas, inclusive as minhas próprias, procuro me lembrar de que eu posso sim, fazer diferença na vida das pessoas.

E que nunca devo me esquecer que todos têm suas estórias, seus dramas, suas alegrias e seus traumas para cuidar.

O mundo está repleto de futilidades e de coisas interessantísimas também. Eu escolhi o lado dos interessantes e evitarei ao máximo pensamentos e atitudes que possam me desviar disso.

Se quiser me acompanhar, seja sempre bem vindo...

domingo, 28 de fevereiro de 2010

28 dias



Esse mês de fevereiro se encerra hoje...e com ele alguns assuntos pendentes também vão sendo eliminados. Ainda bem.

Os dias de Carnaval foram tranquilos porque decidi ficar em casa e curtir a cidade vazia.

Aproveitei o domingo de Carnaval pra ficar com meu sobrinho que veio aqui em casa com minha irmã e minha mãe.

Nesses dias após o o feriado aproveitei para fazer algumas coisas que há muito não fazia.

Saí com o Gilmar para tomar algumas cervejas no boteco lá na 9 de Julho que gostamos muito. Fomos uma vez com a Cau e outra sozinhos. Fui ao cinema ver "Aconteceu em Woodstock", "Idas e Vindas do Amor", dois bons filmes que valem a pena e trazem motivos para refletir sobre nosso comportamento perante escolhas da vida. Não é pouco.

Aproveitamos o domingo seguinte em que o sol favoreceu a cidade e fomos caminhar pelo centro histórico e conseguimos tirar as melhores fotos do ano até agora.

A cidade estava vazia, o sol forte e o céu azul, coisas raras em Sampa.

Sexta passada fui ao Itaú Cultural ver a mostra sobre o autor Mário Bortolotto. Um evento interessantíssimo que contou com a presença de vários atores de teatro e a exibição do inédito "Getsemâni" de autoria do próprio Bortolloto. Antes do filme ainda houve um debate com a presença do cineasta Beto Brant.

Após o evento fomos encontrar a Cau e ficamos tomando cerveja em frente a casa dela até altas horas. A única opção após algumas bebidas seria dormir na casa dela mesmo.

E no sábado curtimos uma sessão da "Mostra Brasil anos 80 de Cinema e Vídeo" no Centro Cultural Banco do Brasil. O filme escolhido foi "Feliz Ano Velho" do Roberto Gervitz, baseado no livro de Marcelo Rubens Paiva. Muito nostálgico.

Enfim, o segundo mês do ano chega ao fim com promessas de mais atividades vindo por aí. E agora março começa meu trabalho no IBGE.

É, a vida não pára mesmo...Nem pode!

Aí estão duas montagens de nossas fotos no centro de Sampa!

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Verde, Dourado, Azul e Branco


Ano passado nessa mesma época eu publiquei um post comentando minha indignação com programas estilo Big Brother Brasil. Levei alguns comentários nem tão agradáveis, mas fiz valer minha idéia de usar meu blog para me expressar.

Fiquei essa semana pensando se iria tocar no assunto de novo, mas tive a idéia de usar o programa dessa vez apenas como gancho para falar de algo que considero grave.

Meses atrás num reallity parecido o eleito pelo povo para ganhar um prêmio em dinheiro que não lembro a quantia já que não assisti, foi um cara conhecido como um bad boy pela mídia, misto de ator e cantor, famoso em revistas de fofocas por brigas, badernas e até agressões físicas. E não é que ganhou a simpatia de quem assistia?

Atualmente qual não é minha surpresa de ver a mesma situação repetida agora com um menos famoso, mas tão conhecido quanto já que o reallity em questão já tem 10 anos no ar e mais visibilidade.

Tenho acompanhado com curiosidade principalmente pelo fato de 3 participantes serem homossexuais assumidos. Queria ver como seria a convivência entre os participantes e até com a própria mídia.

O tal Marcelo Dourado, alguém que com certeza será esquecido daqui alguns meses, provavelmente uns 7 meses que é o tempo do programa ficar no ar e algumas aparições em programas da casa, andou fazendo alguns comentários que causaram um certo incômodo.

Como disse, nem valeria a pena falar sobre ele aqui já que o programa tem no máximo 4 meses no ar, mas esses meses são suficientes para causar um certo estrago.

Alguém que em rede nacional, faz o comentário infeliz de que "héteros não pegam AIDS" é de uma ignorância sem tamanho e não tem noção de como esse tipo de informação distorcida chega até a população que assiste a programas como esse.

Fui criticado no Twitter recentemente por considerar esse sujeito como homofóbico e agressivo.

Provavelmente por pessoas que não sabem o que é o preconceito e como ele tem várias vertentes.

Infelizmente, o apoio do apresentador com seus comentários tendenciosos só tem favorecido a popularidade do tal Dourado. E assim está meio que certa a vitória desse sujeito, novamente eleito pelo povo brasileiro como merecedor de um prêmio de 1 milhão e meio de reais.

Como disse a canção de Toquinho que me inspirou a escrever sobre isso "..Sou do país do futuro, futuro que insiste em não vir por aqui...Pátria minha, pátriazinha tadinha, lindo e triste Brasil..."

E para enfatizar o que quero passar aqui usarei uma citação do jurista Dalmo de Abreu Dallari, professor catedrático da Unesco:

" O preconceito estabelece a desigualdade entre as pessoas, sacrifica valores fundamentais, é usado para justificar agressões à dignidade humana e, por isso tudo, é expressão de uma perversão moral que deve ser, incansavelmente, denunciada e combatida."

Repito aqui que não considero relevante comentar sobre esse programa e seus participantes, mas achei um bom gancho para falar de algo mais sério e assim ser compreendido através de um exemplo que está no conhecimento da maioria das pessoas.

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Desiderata


Li esse texto alguns anos atrás e sempre o encaro como ótimos conselhos em dias tão complicados de contatos meramente virtuais e falta de compreensão com os outros.

Leia e reflita por alguns minutos. Seus dias agradecerão!!


"Atravesse com tranquilidade o barulho e a pressa e lembre-se da paz que pode haver no silêncio. Tanto quanto possível, sem se render, relacione-se bem com todas as pessoas. Fale sua verdade com calma e clareza e ouça a dos outros. Mesmo os tolos e os ignorantes também têm sua história.
Evite pessoas espalhafatosas e agressivas, elas são uma afronta para o espírito. Se você se comparar com os outros, poderá se tornar amargo ou fútil, porque sempre haverá pessoas melhores e piores do que você. Aproveite suas realizações, assim como seus planos.
Mantenha o interesse por sua própria carreira, não importa o quão humilde: ela é um verdadeiro bem nesses tempoa que tanto mudam.

Tenha cautela em seus negócios, pois o mundo está cheio de trapaças. Mas não deixe que isso cegue seus olhos para a virtude que existe nele. Muitas pessoas lutam por grandes ideais e, em todo lugar a vida é cheia de heroísmo.
Seja você, sobretudo, não finja afeição. Não encare o amor com cinismo, pois diante de toda aridez e desencantamento ele é perene como a grama.
Aceite com suavidade o conselho dos anos, entregando com graça as coisas da juventude. Cultive a força do espírito para protegê-lo em caso de súbita desgraça. Mas não se aborreça com conjecturas.

Muitos medos nascem do cansaço e da solidão.

Além de uma disciplina saudável, seja gentil consigo mesmo.
Você é parte do universo. Assim como as árvores e as estrelas, tem o direito de estar aqui. E, quer isso esteja claro para você ou não, sem dúvida o universo está encaminhando como deveria.
Assim, fique em paz com Deus, como quer que imagine que Ele seja.

E, quaisquer que sejam seus fardos e aspirações em meio a confusão barullhenta da vida, fique em paz com sua alma.
Com toda sua falsidade, sua labuta, seus sonhos partidos, o munda ainda é belo. Seja alegre. Lute para ser feliz."


("Histórias para aquecer o coração" Ed. Sextante)

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Strange days


Alguns pensamentos tem ocupado um bocado minha mente nessas últimas semanas.

Acredito que nunca refleti tanto sobre atitudes minhas e de outras pessoas com tanta constância.

Tenho me deparado com situações e convivências que me surpreendem a cada momento e por incrível que pareça me sinto melhor a cada uma delas. Tentarei explicar.

Muitas vezes em que estamos sozinhos sem uma paixão para dar aquele colorido na vida,obviamente, que nos tornamos mais vulneráveis.

Buscamos em uma pessoa a completa solução de todas as nossas frustrações e problemas, isso sem nos importamos com a real razão dessas mesmas frustrações.

E quando acontece tal paixão tudo vai para escanteio. Amigos, família, rotina e até mesmo o emprego!

Sei que não sou a pessoa mais confiável para falar sobre isso, mas como tenho acompanhado de perto algumas pessoas queridas passando por situações parecidas, aproveitei para refletir sobre o que já fiz em relação à isso. Sim, porque eu mesmo me comportei assim alguns anos atrás e espero firmemente que não aconteça de novo.

Mas quis tocar no assunto para comentar sobre quão estranhos têm sido os dias que tenho vivido ultimamente.

Muita informação ao mesmo tempo. Amigos com problemas, mal tenho visto meus familiares, a expectativa do início de um novo trabalho, a feliz constatação que estou muito melhor do que imaginava... E outras resoluções que estou lutando para colocar em prática.

Mas chego lá. As brigas que ganho nem sempre levo um troféu para casa, mas as que perdi...essas eu não esqueço nunca. Portanto a luta continua, porque descobri que vale a pena tomar atitudes que me trazem benefícios.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Quero ao vivo!


Olhares. Toque de mãos. Sorrisos encabulados. Abraços. Conversas cortadas. Risadas sinceras.

Por mais que seja agradável vivenciar essas reações, algo está fugindo do controle.

Tenho lido matérias interessantíssimas sobre o distanciamento das pessoas. "Estamos mais preocupados com hardwares e estamos menos humanwares" dizia um dos textos.

Ou ainda "As pessoas cortaram as vogais ao se comunicarem através de programas de interação, onde escrevem vc, tc, tbm e outras siglas e não percebem que lentamente estão fazendo isso no seu cotidiano fora da rede em suas relações com outras pessoas, contraindo os contatos, diminuindo os encontros...".

Recentemente conheci algumas pessoas através da Internet. Alguns diziam que sentem falta de contato humano, do sair e beber cerveja, conversar com amigos, frequentar a casa deles e estreitar vínculos. Mas para minha surpresa o discurso parece interessante, bem diferente aliás das atitudes das pessoas que o proferiram.

Quando queremos realmente ter esse contato nós procuramos fazê-lo. Daí a transformá-lo numa amizade é outra estória.

Afinidades, encontros, conversas e tudo mais entram para colaborar e permitir que um vínculo se estabeleça. Só que o principal obstáculo parece que são exatamente os mesmos que deveriam aproximar.

Como existe o contato pela Net através de mil opções parece que a sensação de estar acompanhado aumenta e com isso o interesse em ver o outro pessoalmente vai diminuindo. A falta de tempo proporcionado pelo trabalho e compromissos pessoais colabora e pronto! Estamos novamente nos falando somente pela Internet.

Mas como para tudo sempre acredito que é necessário boa vontade, nada justifica essa falta de estar junto de quem gostamos. Nada.

Como dizia um outro texto maravilhoso que li alguns meses atrás sobre tomarmos café com amigo, "... o café serve apenas para demonstrar que não importa quão ocupada esteja nossa vida, sempre haverá lugar para tomar um café com um amigo."

Lamento que alguns contatos que gosto tanto estejam em outros estados ou cidades distantes. Mas que possamos lembrar que contato virtual apenas não é suficiente para cultivar uma boa amizade. Deixemos o computador um pouco de lado e vamos nos encontrar mais vezes. Alguém topa?

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Aos dezoito do primeiro tempo...


Ao contrário de outros meses ou anos, a impressão que eu tenho até agora sobre esses dezoitos dias do primeiro mês do ano, é que tem acontecido muita coisa e isso me dá a sensação que não está tão corrido como sempre parece.

Fico tentando lembrar tudo que tenho feito para manter um registro dos lugares que fui e as pessoas com que encontrei, mas tem sido complicado.

Desastres à parte o ano de 2010 começou bem complicado e com tristezas demais pelo mundo.

Vou comentar somente sobre meu cotidiano por enquanto.

Puxando aqui na memória comecei o ano vendo bons filmes como disse no post anterior. Além de "Elsa & Fred" ainda assiti impressionante "A Onda",o divertido "Falando Grego" e vi no cinema o simpático "É Proibido Fumar".

Na primeira semana também tive a oportunidade de conhecer um pessoal do Twitter num encontro que marcamos num barzinho da Av.Augusta. Bem divertido.

Aliás o Twitter tem sido um ótimo companheiro de diversão e ferramenta para conhecer muita gente. Uns ótimos, outros nem tanto mas dá pra filtrar virtualmente mesmo.

Escrevendo sobre a primeira semana não posso esquecer que comecei bem o ano na companhia agradável do Gabriel . Nos encontramos na Tunnel no primeiro domingo do ano a ali dei os primeiros beijos para começar janeiro já trazendo boas energias!

Teve também o show da Elba Ramalho. Fomos com a Cau e o Pier e digo com sinceridade que me emocionei muito com canções que me trouxeram ótimas lembranças.

Após o show matei a saudades da Cau tomando uma cerveja com ela e o Gilmar.

Visitas em casa de pessoas gostosas como o Bruno que adora filmes também e da Cláudia sempre divertida e doida.

Fui com minha irmã e meu sobrinho lindo ao Museu da Lingua Portuguesa, Pinacoteca e Parque da Luz em um dia lindo de sábado!

E ainda tivemos a companhia do Antonio lá do Rio de Janeiro que ficou em casa nessa última semana.

E claro, que ainda tive tempo para curtir uma paixãozinha platônica por alguém que está bem distante.Mas não tenho do que reclamar, os contatos têm sido tão gostosos...

Bom, como disse, muita coisa em apenas 18 dias. Isso somente do que lembrei.

Da parte pessoal e profissional, meus devaneios e preocupações ficarão para outros posts.

E viva 2010!

domingo, 17 de janeiro de 2010

Elsa & Fred - Um amor de paixão



No primeiro dia desse ano, tanto eu como o Gilmar decidimos ficar em casa para descansar da semana de festas que o finalzinho do ano traz.

Eu tinha alugado alguns DVD´s o que serviu como uma bela desculpa para ficarmos jogados em casa mesmo.

Para minha satisfação comecei bem o ano vendo um lindíssimo filme chamado "Elsa & Fred - Um amor de paixão".

O filme do diretor Marcos Carnevale é sobre o amor na terceira idade.

Os personagens de Elsa (China Zorilla) e Fred (Manuel Alexandre) durante o filme, constroem uma relação de causar inveja em qualquer paixão adolescente.

A meta de Elsa é fazer com que Alfredo sorria, já que ele passou parte da vida com a preocupação de sustentar a família, estando ao lado de uma mulher organizada. A meta de Fred é acreditar em Elsa, mesmo com todas as suas mentiras sobre a realidade de sua vida.

E em meio às muitas homenagens explícitas à Felline, posso apenas citar sobre o que se fala a respeito do diretor italiano: um mestre em enlouquecer a produção de seus filmes. Pois pedia que a equipe arrumasse coisas extraordinárias.

Esse é exatamente o caso de Elsa, nutrir a sua vida através da fantasia, fugindo do padrão da realidade possível, principalmente quando o casal da terceira idade irá reconstituir a clássica cena em que Anita Ekberg entra na Fontana di Trevi. Ainda nos preparativos, faz com que Fred sofra para encontrar um gato branco durante a noite. Enfim, ele apenas consegue um acinzentado. Mas, é o que Elsa diz: "nós também não somos Anita e Marcelo".

Não vou negar que chorei um bocado durante a exibição, afinal não há como deixar de refletir sobre momentos perdidos em nossa vida sem motivo algum.

Tantas coisas que deixamos de fazer, que deixamos de falar e assim o tempo vai passando...

Quando vi a alegria de viver de Elsa contagiando a rotineira vida de Fred fiquei encantado em constatar que para um primeiro dia do ano, assisti o filme com a mensagem certa!